• Vacina contra meningite: quem deve tomá-la?
  • Autor:Bárbara Stephanie Monteiro
  • 2019-09-16
  • Fonte:

Endêmica no Brasil, a meningite fez 17 mil vítimas no país em 2018. Só em São Paulo, segundo dados do Ministério da Saúde, foram 7.500 registros. Meningite é o nome dado a inflamação das membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal, com consequências severas e imprevisíveis.  

“É uma doença contagiosa e pode ser causada por vírus, bactérias, parasitas e fungos. Outra forma de contaminação é por agentes químicos, como medicamentos”, alerta Luciana Campos, infectologista e responsável técnica do serviço de vacinas do laboratório Sabin, de São José dos Campos.

A meningite pode atingir todas as faixas etárias com maior risco para as crianças. Os sintomas são febre alta, dores de cabeça, vômito, náuseas, manchas avermelhadas ou arroxeadas na pele (como hematomas) e rigidez da nuca.  

Profilaxia.

No país, o SUS (Sistema Único de Saúde) oferece quatro tipos de vacina contra as principais causas da meningite bacteriana que são a BCG, aplicada ao nascer; a Pentavalente, aplicada aos 2, 4 e 6 meses e também entre 11 e 13 anos de idade. Também a Meningocócia C, aplicada aos 3, 5 e 12 meses; e a Pneumococica conjugada 10 - valente (VPV 10), aplicada aos 2, 4 e 12 meses.

Já a rede privada oferece todas as vacinas que protegem contra os 12 tipos de meningococos. 

“O ideal é que a vacina conjugada ACWY - presente na rede privada - seja aplicada de duas a três vezes (dependendo do caso) nos primeiros seis meses de vida. Já os reforços são indicados em duas ocasiões: entre 4 e 6 anos e aos 11 anos de idade”, alertou Ana Rosa dos Santos, infectologista e gerente médica do serviço de vacinação do Sabin. 

“Caso um adolescente ou um adulto não tenham tomado as doses da infância, eles podem tomar uma dose única da vacina meningocócica conjugada ACWY, que também imuniza contra o tipo C”, continuou ela. 

Ainda segundo a especialista, a meningocócica B - também encontrada apenas na rede privada - é recomendada também nos primeiros seis meses de idade. “É importante a vacinação para adolescentes e adultos. São duas doses com intervalo de um a dois meses, dependendo da idade”, disse a médica.  

A orientação das especialistas é de que todos que não fizeram o esquema vacinal na infância mantenham o calendário em dia.

Em São José dos Campos, o serviço de vacina é oferecido pelo laboratório Sabin na unidade do centro, na rua Francisco Paes, 165. De segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h e aos sábados das 7h30h às 11h. Não é necessário fazer o agendamento prévio, basta comparecer no local com um documento que possua foto.